O Exame Nacional de Matemática A que hoje se realizou é equilibrado, cobre correctamente o programa e tem uma extensão adequada ao tempo de resolução previsto.

A Sociedade Portuguesa de Matemática regista com agrado um aumento no grau de exigência geral da prova, estando a presente avaliação mais adaptada ao que consideramos ser o conjunto de conhecimentos e procedimentos matemáticos que os alunos devem dominar ao término do Ensino Secundário.

Certas questões, como a 5 ou a 6.1 do grupo II, requerem um desembaraço superior ao que tem sido norma em anos anteriores. Contudo, existem aspectos que devem ser corrigidos nos próximos anos. Por exemplo, não se justifica a existência do formulário, que reúne uma colecção de factos que devem ser conhecidos por qualquer aluno no final do 12º ano nas áreas de ciência, tecnologia e economia. Por outro lado, faltam itens que apelem ao raciocínio abstracto matemático. Este tipo de questões são escassas e aparecem sistematicamente ligadas às Probabilidades (ver o item 3 do grupo II). Finalmente, faltam perguntas de selecção que permitam fazer a distinção entre os alunos muitos bons e os alunos excelentes.

Apesar de considerarmos que o grau de dificuldade da prova ainda está abaixo do desejado, pode não ser razoável, depois do nível baixíssimo que este exame atingiu em 2007 e 2008, aumentá-lo de forma abrupta num espaço de tempo tão curto, pelo que fazemos uma avaliação positiva da presente prova.